★★★★
★★★
★★
★★★★★
★★★★
★★★★
★★★★

17 de marzo de 2016

(Review # 60 ) - Nunca es tarde para morir

26861378Nunca es tarde para morir
Pablo Palazuelo

Autopublicado
Livro Autoconclusivo
606 Páginas
 Intriga / Policial
Goodreads /Amazon/ 
Casa del Libro 


*** Para leer esa misma reseña en Español, haz click AQUI


"As Trombetas de Jericó soaram desde o céu anunciando a iminente chegada da morte".

Assim se inicia novela policial e de mistério onde cinco enigmáticos veteranos de seus respectivos serviços secretos conhecem à uma cativante adolescente, de vida ruim e de sorte pior ainda, que desatará uma espiral de surpreendentes fatalidades e os arrastará até um inimigo sem piedade.

608 páginas alucinantes, onde o ritmo não decai em nenhum instante. Conta com um elaborado argumento, que não parte apenas de um assassinato em que apenas queremos saber quem é o autor e quando será capturado, mas que busca surpreender o leitor em cada capitulo. Além disso, embora possa até parecer, esta não é uma história de espiões, mas sim uma novela cheia de intriga e crimes. 




Eu não costumo ler muitas novelas policiais. Esse é um fato que admito. À primeira vista, as novelas policiais sempre me atraem, pela sinopse misteriosa, pela capa, mas diante de outros gêneros, eu sempre acabo esquecendo.

Nunca es tarde para morir é uma extensa novela policial, escrita com uma riqueza de informações e dados históricos que não poderia começar a resenha sem ressaltar o grande trabalho de pesquisa que o autor possivelmente fez para escrever uma trama tão intrincada. Eu realmente admiro esse cuidado e dedicação e já recomendo essa novela desde logo pelo fato de que terminei aprendendo muito lendo suas páginas. 

Nesta novela conhecemos um grupo de cinco amigos que se reúnem todos os anos unicamente para passar um tempo juntos e jogar algumas partidas de pôker. O britânico Travis, o francês Louis, o russo Nikolai, o alemão Johan e o americano Harry além de serem amigos há décadas, possuem também um grande segredo. Um segredo de milhões de dólares que envolve não apenas estes homens, mas também seus próprios países.
Após tantos anos, os discretos amigos estão cada vez mais seguros que o grande segredo jamais virá à tona porém, a chegada de uma jovem atraente e enigmática chamada Kayden Fox muda de uma vez a sorte destes cinco amigos.
Quando o primeiro dos amigos morre em um trágico acidente, ninguém duvida que fatos trágicos ocorrem todos os dias. Mas, quando dias depois, o segundo amigo do grupo também é encontrado morto, e a presença da misteriosa jovem é confirmada em ambas as mortes, os outros três amigos sobreviventes começam a questionar-se se essas mortes se tratam realmente de acidentes. 
Mas, como descobrir um assassinato em uma morte aparentemente natural? 
Se houve um crime, foi executado à perfeição e sem deixar pistas... Então, como podem os três amigos sobreviventes desvendar o mistério antes que sejam eles também as vítimas?

Nesse contexto começa esta novela policial de 606 páginas que nos traz conspirações internacionais, crimes perfeitos, uma garota misteriosa e um grupo de velhinhos acima de qualquer suspeita. 

A minha experiência com esta novela pode ser dividida em duas partes: a primeira metade foi extremamente cansativa, com informação demasiada e pouca ação, eu custava a entender qual era o ponto do autor, há alguns flashbacks que não alcançava de entender ou perceber onde poderia se encaixar na história e tudo isso deixava a minha leitura bastante pesada.
Na verdade, à princípio não me conectava com nenhum personagem e infelizmente, meu desinteresse pelos personagens foi se tornando ainda maior por grande parte da história, embora tenha gostado um pouco do personagem de Nick, o russo.

A quantidade de histórias paralelas lançadas no meio dos capítulos me confundiam bastante, e até metade do livro eu não tinha a menor idéia até aonde queria chegar o autor com tudo isso, pois temos histórias tristes da Segunda Guerra Mundial, a KGB, a antiga União Soviética e muitas conspirações internacionais.
Creio que tantas informações tem o seu ponto positivo, porque a gente sempre aprende muito, porém, também há o risco de perdermos facilmente o interesse com informações longas demais, e aí mora um dos pontos negativos desse livro. É um livro extenso em seu número de páginas, e a ação e a trama apenas se desenvolvem após a metade.

A segunda metade do livro é quase como um giro de 180 graus. A história ganha novos ares, o mistério toma forma, um assassino cruel e extremamente inteligente aparece e o leitor finalmente começa a entender quem são aqueles personagens e qual é o grande segredo que escondem.
Desfrutei muito a segunda parte desse livro e perto do fim não conseguia largar, queria apenas ler e ler até desvendar finalmente cada mistério. O ritmo intenso e ágil da segunda parte me deixou bastante interessada e fez toda a história valer a pena.

Enfim, seguramente se o autor não tivesse demorado tanto para entrar na ação, eu teria desfrutado muito mais da leitura. 
Entendo que essa introdução mais lenta pode ser necessária para que o leitor possa entender a complexidade da história e conectar-se com a trama porém, isso não muda o fato de que a primeira parte do livro foi bastante difícil justamente porque eu sentia que absolutamente nada acontecia à parte da fascinação infantil de um grupo de senhores mais velhos por uma muchacha de olhos verdes. 

Resumindo, Nunca es tarde para morir é uma novela policial com bastante altos e baixos. Uma introdução demasiadamente larga que me cansou e por várias ocasiões me tirou  o interesse pela história.
Porém, merece uma oportunidade pois, a sua segunda parte é simplesmente viciante, inteligente e consegue convencer o leitor com um desenrolar de fatos bem cuidado e cheio de reviravoltas.



Pablo PalazueloPablo Palazuelo Basaldua nasceu em Madrid, no ano de 1965. Estuda Ciências Empresariais e fala vários idiomas. Atualmente está casado e é pai de três filhos.
Entre suas paixões estão a fotografía, que se iniciou quando foi  voluntário en uma Unidade de Operações Especiasi do Exército. Graças a isso, auna fotografía u tirando uma fotografia que, primero foi publicada em uma revista e, posteriormente, aproveitando que guarda relação com o argumento de seu livro, foi usada pelo autor para confeccionar a capa de seu primeiro livro, Nunca es tarde para morir, novela com a qual inicia sua carreira como escritor.
Web Page Oficial: http://www.ppalazuelo.com/

Twitter: Pablo Palazuelo



Beijokas

Nos Lemos...



No hay comentarios.:

Publicar un comentario